Dono da verdade

abril 4, 2008 at 1:58 pm (Cronicas)

Primeiro de Abril, Dia da Mentira. Michele, 18, quer levar uma mentira mais a fundo. O que era para ser uma brincadeira de jovens acaba em tentativa de extorção. Michele e seus amigos decidem simular seu p´roprio sequestro, para conseguir 10 mil reais da família da estudante. Ela e mais três amigos planejam toda a “brincadeira”.

 Todos os quatro são estudantes do ensino superior e de acordo com eles não tiveram a intenção de fazer o aquilo. Tudo era para ser uma simples brincadeira que saiu do controle. Esta não é a primeira vez que nos últimos anos escutamos sobre “brincadeirinhas” de adolescentes universitários de classe média que abusam da lei.  

No passado foi o caso do espancamento da empregada doméstica por universitários de classe média no Rio. E ainda os pais dos agressores fizeram infelizes declarações, como: “Meu filho é só uma criança, o lugar dele é na Universidade”. Será que essas supostas crianças realmente não sabem o que estão fazendo? 

Com certeza, os pais acham que estão fazendo um ótimo trabalho. “Até que enfim meu filho entrou na faculdade, acabou minha responsabilidade”. Podemos culpar a criação dos meninos? Os pais erraram, com certeza? Este é um bom momento para analisarmos que tipo de pessoas o nosso País está formando, jovens inconsequentes que não se importam com a lei. 

No Brasil a sensação de impunidade está dentro das pessoas, principalmente dos jovens de hoje que cresceram com Collor e mensalão. É claro que não podemos generalizar, mas quase todo jovem vai na “onda” da sua turma.  

é hora de refletir sobre o que os jovens estão fazendo e estão pensando, poruqe este será o Brasil de amanhã. Pessoas que não possuem ética, valores morais, serão futuros corruptos. A educação não é só matéria, os pais devem ser mais atentos e acompanhar a educação do filho não deixar essa responsabiidade somente para a sociedade.

Anúncios

Link permanente 1 Comentário

Um Heroi e uma Cidade

abril 4, 2008 at 1:48 pm (Cronicas)

Ao excelentíssimo Senhor Presidente,  

Senhor, o meu municipio passa por alguns problemas.Há mais de 15 anos, um homem começou a ser notado dentro de minha cidade. Ele fez uma revolução a favor dos trabalhadores da empresa onde trabalhava por causa das más condições. Esse homem ganhou respeito e admiração de sua classe tornando-se líder dos trabalhadores. 

Logo depois ingressou em um partido, para concorrer a cargos públicos, porque realmente acreditava na sua luta para ajudar aos seus companheiros de trabalho. Mesmo com toda a admiração e respeito de sua classe, quando concorreu a prefeito da cidade, não ganhou. 

Anos se passaram, e o ex-trabalhador, sem ensino superior, como a maioria dos habitantes do município, não conseguia o apoio do povo na sua candidatura. Mas em um ano de eleição, ele conseguiu reverter essa situação e ganhou o respeito e a admiração não só dos trabalhadores, mas de todos os outros moradores, sendo eleito  prefeito.  

Se tornou uma figura emblemática, um herói do povo, aliás era um homem como a gente, sem ensino superior e ex – operário . Nunca, aqui na cidade, um homem com o perfil dele tinha conseguido chegar ao poder. Esses cargos sempre ficaram para os ”grandes” que tinham muito dinheiro e que tinham faculdade. 

O povo está “super” feliz com ele no poder, mas algumas coisas estranhas começaram a acontecer. A assessoria do prefeito é formada por pessoas que sempre tiveram muito dinheiro e não são vistas como pessoas de boa índole. Vários casos de roubo dentro da sua gestão foram denunciados, mas nenhum caso envolve ele diretamente, somente pessoas que são próximas. O partido no qual é filiado ,também acorreu vários problemas que colocam em questão a  moral dos que fazem parte.

 O povo não quer acreditar que ele está envolvido com isso, alias o mandato dele tem algumas coisas boas; ajudou aos pobres, melhorou a infra-estrutura da cidade. Mas os fatos que acontecem me fazem questionar se mesmo ele não estando envolvido diretamente, faz  parte dessas coisas erradas que seu grupo anda fazendo.

 Mas não consigo enxergá-lo como ladrão aliás ele é gente como a gente, ninguém da gente conseguiu chegar lá. Talvez se ele diz que não está envolvido, realmente não esteja. E o povo da minha cidadezinha acredita nele, ele não pode estar errado. Ou então estamos acreditando em um sonho que nunca existiu. 

 

Atenciosamente,

Lígia Tosta Cardoso

Link permanente Deixe um comentário